Saturday, December 10, 2011

Palmela, Cidade Europeia do Vinho em 2012- Palmela, European Wine City in 2012

Como já foi, aqui, publicado anteriormente. Uma cidade portuguesa será em 2012 a Cidade Europeia do Vinho. A localidade escolhida foi a vila de Palmela. A eleição decorreu em Vila Franca del Penedes, Espanha.




A candidatura de Palmela foi escolhida de entre 6 cidades portuguesas concorrentes: Barcelos, Beja, Cantanhede, Cartaxo e Viana do Castelo.
Este evento vai permitir a divulgação, a nível nacional e internacional, da região como referência na produção de vinho ,bem como todas as actividades relacionadas com este sector como o Enoturismo ou provas de vinhos e divulgação de toda a gastronomia da região.
A iniciativa Cidade Europeia do Vinho realiza-se anualmente num país diferente, que integre a Rede Europeia de Cidades do Vinho. Para 2012 Portugal foi o país escolhido para acolher este certame. Em 2013 será a vez da Itália, em 2014 será escolhida uma cidade espanhola e em 2015 uma cidade francesa.
A produção de vinho ma região de Palmela é anterior à fundação de Portugal. Pensa-se que terá sido introduzida pelos tartéssios, na Península Ibérica- Vale do Tejo – por volta de 2000 a.C. , que à medida que estabeleciam relações comerciais, iam trocando diversos produtos , entre os quais o vinho.




No século VII a.C. foi a vez dos gregos darem o seu contributo, para o desenvolvimento da cultura viticultura na região de Palmela, desenvolvendo a “arte de fazer vinho”.




Os Celtas no século VI a.C., introduziram variedades de videira e trouxeram consigo as técnicas da tanoaria.




Os romanos, em 15 a.C. com a romanização da Península estabilizada, também desenvolveram a cultura da vinha introduzindo novas variedades de uva, aperfeiçoaram técnicas de cultivo, de onde se destaca a poda.
Em 1185, D. Afonso Henriques atribui o primeiro foral à Vila de Palmela onde refere a produção de vinho na região.

No século XIX várias pessoas se destacaram na viticultura palmelense levando-a ao reconhecimento nacional e europeu. É o caso de José Maria dos Santos, à época  o proprietário da maior vinha do Mundo. Localizada no Poceirão, tinha uma área de 2400 hectares, 6 milhões de cepa que produziam anualmente 20 a 30 mil pipas de vinho.

No século passado, D. Gregório Gonzalez Briz, implanta o mais moderno sistema de vinificação em Portugal. Situado em Algeruz onde se situa actualmete o Núcleo Museológico do Vinho e da Vinha.

As Denominações de Origem e os Encepamentos

A Região Vitivinícola da Península de Setúbal desdobra-se em três denominações distintas: a D.O.C. Palmela, a D.O.C. Setúbal e o Vinho Regional Terras do Sado.

É uma região dominada pelas castas tintas, com cerca de 80% do encepamento total. No concelho de Palmela a casta castelão – mais conhecida na região por «Periquita» - ocupa 95% da área de tintas; no entanto, para além de outras castas nacionais, assinala-se a entrada de outras como Chardonnay, Babernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Cabernet Blanc e Pinot Noir e Blanc.
Quanto às castas brancas, as mais representativas na região continuam a ser a Fernão Pires, a Tamarez e a Moscatel de Setúbal, sendo esta última responsável pelo vinho generoso conhecido com o mesmo nome.
  English Version
As has been here previously published on portuguese town will be the European City of Wine, on 2012. The location chosen was the town of Palmela. The election took place in Vila Franca del Penedes, Spain.
The application of Palmela was chosen from among six competitors portuguese cities: Barcelos, Beja, , Cantanhede, Cartaxo  and Viana do Castelo.
This event will allow the dissemination at national and international reference in the region as wine production, as well as all activities related to this sector such as wine tourism or wine tasting and display all this region’s gastronomy.
The initiative of the European City Wine is held annually in a different country, integrating the European Network of Cities of Wine. In 2012 Portugal was chosen to host this event. In 2013 it was the turn of Italy, in 2014 a Spanish city will be chosen and in 2015 a French city.
Wine production is ma de Palmela region before the foundation of Portugal. Thought to have been introduced by Tartessians, Iberia, Tagus Valley - around 2000 BC, that as business relations, were exchanging various products, including wine.
In the seventh century BC was the time of the Greeks give their contribution to the development of culture viticulture in the region of Palmela, developing the "art of making wine."
The Celts in the sixth century BC, introduced varieties of vine and brought with them the techniques of cooperage.
The Romans in 15 BC  with Romanization stabilized in the Peninsula, also developed the vineyard introducing new grape varieties, improved cultivation techniques, where stands pruning.
In 1185, D. Afonso Henriques assigns the first charter to the town of Palmela which refers to wine production in the region.
In the nineteenth century many people stood out in  Palmelense viticulture, taking it to the National and European recognition. This is the case of José Maria dos Santos, at the time the owner of the largest vineyard in the world. Located in Poceirão, had an area of 2400 acres, 6 million strain annually  that produced 20 to 30 thousand barrels of wine.
In the last century, D. Gregory Gonzalez Briz, deploys the most modern system of wine in Portugal. Located where it is located in Algeruz actualmete The Museum of Wine and Vine.
Designations of Origin and vine varieties
The wine region of Setúbal Peninsula unfolds in three distinct names: the DOC Palmela, the D.O.C. Setubal and Regional WineTerras do Sado.
It is a region dominated by the red varieties, with about 80% of total vine varieties. In the municipality of Palmela caste Castelão - better known in the region as' Periquita "- occupies 95% of the reds, however, in addition to other national varieties, marks the entry of others like Chardonnay, Babernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Cabernet Blanc, Pinot Noir and Blanc.
As for the white varieties, the most representative in the region remain to Fernao Pires,Tamarez and Moscatel de Setúbal , the last being responsible for the fortified wine known by the same name.
 Fontes/Sources:






Friday, December 9, 2011

Video Lisboa


video

video

Saturday, December 3, 2011

Faróis Portugueses abertos às Quartas-feiras- Portuguese Lighthouses open on Wednesdays

Na sequência das comemorações do Dia Nacional do Mar, a Marinha Portuguesa decidiu abrir ao público alguns dos Faróis espalhados por todo o território nacional. Será às quartas-feiras das 14h às 17h sem ser necessária uma marcação prévia.

Esta iniciativa pretende dar a conhecer a missão dos faróis e as funções dos faroleiros.

Cabo(Cape) Raso, Cascais



Farol de Alexandria

O primeiro farol de que há memória na humanidade é o farol de Alexandria , no Egipto. Era uma torre construída em 280 a.c. na ilha de Faros(palavra que deu origem a farol) Tinha o objectivo ser um marco de entrada para o porto e posteriormente, como um farol.

Considerada uma das Maravilhas da Antiguidade, foi construído pelo arquitecto e engenheiro grego Sóstrato de Cnido a mando de Ptolomeu.

Sobre uma base quadrada erguia-se a esbelta torre octogonal de mármore, com uma altura que variava entre 115 e 150 metros de altura, que por mais de cinco séculos manteve-se entre as mais altas estruturas feitas pelo homem. No seu interior ardia uma chama que, através de espelhos, iluminava a uma distância entre os 50 e 100 km – daí a grande fama e imponência daquele farol.

Faróis em Portugal

Em Portugal a história dos Faróis começa por volta do século XVI (1520), quando se acenderam os primeiros faróis no Convento de S. Francisco, no Cabo de S. Vicente e de Nossa Senhora da Luz, este último farol, considerado o mais antigo farol português, estava localizado a Norte da Barra do Douro.

Hoje em dia a rede de faróis portuguesa é bem mais extensa. Existem faróis em toda a costa de Portugal Continental, nos arquipélagos da Madeira e dos Açores e ilhas selvagens. É em Portugal que se localiza a ponta mais ocidental do continente europeu, o Cabo da Roca, (Sintra). O maior farol português da actualidade é o farol de Aveiro ou farol da Barra.

Acessibilidades
Em termos de Acessibilidades informe-se junto da Marinha Portuguesa que tipo de acessibilidades terão este tipo de edifícios, principalmente para cadeiras de rodas.

English Version
Following the celebrations of National Day of the Sea, the Portuguese Navy decided to open to the public some of the lighthouses scattered throughout the country. It will be on Wednesdays from 2 p.m.to 5 p.m without needing an appointment.

This initiative aims to raise awareness of the mission of lighthouses and th functions oh the lighthouse keepers.

Lighthouse of Alexandria

The first lighthouse in living memory in humanity is the lighthouse of Alexandria, Egypt. It was a tower built in 280 BC on the island of Pharos (a word that gave rise to the lighthouse) was intended to be a landmark entrance to the harbor and later as a lighthouse.

Considered one of the Wonders of Antiquity, was built by Greek architect and engineer Sostratus of Cnidus at the behest of Ptolemy.


On a square base stood the slender octagonal tower of marble, with a height ranging between 115 and 150 meters high, which for more than five centuries remained among the highest man-made structures. Inside a burning flame, through mirrors, illuminated at a distance between 50 and 100 km - hence the great fame and grandeur of that lighthouse.

Lighthouses in Portugal

 The Portuguese Lighthouses history starts around the sixteenth century (1520), when the first lights were lit in the Convent of S. Francisco, the Cape St. Vincent and Our Lady of Light, the last lighthouse, considered the oldest lighthouse in Portuguese, was located north of the Barra of the Douro.

Today the portuguguese  lighthouses network  is far more extensive. There are lighthouse all along the coast of mainland Portugal, Madeira and the Azores islands and Selvagens. It is located in Portugal that the most western point of mainland Europe, Cape da Roca, (Sintra). The biggest Portuguese lighthouse is  Aveiro Lighthouse known as  Barra Lighthouse.



Accessibility

In terms of accessibility check with the Portuguese Navy that kind of accessibility will have this type of buildings, especially for wheelchairs.

Cabo( Cape)S.Vicente
Os faróis abertos semanalmente a visitas são/ The lighthouses that open weekly to visitiors are:

Continente, os Faróis, (Lighthouses): Montedor, Leça, Aveiro, Cabo Mondego, Penedo da Saudade, Cabo Carvoeiro, Berlenga, Cabo da Roca, Cabo Espichel, Sines, Cabo Sardão, Cabo de São Vicente, Ponta da Piedade, Ponta do Altar, Alfazina, Santa Maria e Vila Real de Santo António;


- Madeira: o Farol da Ponta do Pargo Lighthouse;

- Açores os Faróis/  Azores Lighthouses of : Ferraria, Ponta do Cintrão, Arnel, Gonçalo Velho, Ponta da Garça, Contendas, Ponta da Barca, Carapacho, Ponta da Ilha, Ponta do Topo, Albarnaz e Lajes das Flores.



http://www.marinha.pt

http://www.facebook.com/josecandeias

http://www.transportes-xxi.net/tmaritimo/investigacao/farois

http://www.ancruzeiros.pt/ancfaroisp.html


http://pt.wikipedia.org/wiki/Farol_de_Alexandria